Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Nanopartículas de quitosana como veículo para entrega de oligodeoxiribonucleotídeos antisense (2018)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MELO, CRISTIANE CASONATO - IFSC
  • USP Schools: IFSC
  • Sigla do Departamento: FCI
  • Subjects: QUITOSANA; OLIGODESOXIRRIBONUCLEOTÍDEOS; NANOPARTÍCULAS; PROTEÍNAS DE FLUORESCÊNCIA VERDE
  • Keywords: Antisense oligodeoxyribonucleotide; Chitosan; Expressão de proteína verde fluorescente; Gelatinização ionotrópica; Nanoparticles; Oligodeoxiribonucleotídeo antisense; Green fluorescent protein expression; Ionotropic gelation
  • Agências de fomento:
  • Language: Português
  • Abstract: Em 1978, o trabalho realizado por Stephenson e Zamecnik demonstrou a capacidade de um oligonucleotídeo de impedir a expressão de uma proteína específica. Atualmente, duas tecnologias são mais utilizadas para este propósito: os oligodeoxiribonucleotídeos antisense e o RNA de interferência (siRNA), que se aproveitam da capacidade de anelação entre as fitas complementares. A maior diferença entre as duas técnicas é a maquinaria proteica recrutada, isso é, o complexo RISC atua no funcionamento do siRNA, e a protease RNase H atua na clivagem da fita de RNA quando hibridizada com DNA. Apesar da grande aplicabilidade destas tecnologias, tanto para doenças metabólicas quanto para canceres, o veículo de entrega e proteção dessas sequências é de fundamental importância, visto que a aplicação desses oligonucleotídeos livres está sujeita à rápida degradação e ineficiência. A modificação das bases é uma das estratégias para conferir maior estabilidade às sequências, porém estas tem sido relacionadas a um aumento da toxicidade. Nessa dissertação, a quitosana, um polissacarídeo catiônico é utilizado para síntese de nanopartículas e encapsulamento dos oligodeoxiribonucleotídeos antisense (ASO). Para isso, foram realizadas modificações na quitosana comercial como despolimerização, trimetilação ou conjugação com PEG, seguida da síntese das nanopartículas com a adição de tripolifosfato de sódio (TPP) pelo método de gelatinização ionotrópica. A estabilidade das nanopartículas foi medida emfunção do tempo, da variação de temperatura e da diferença de pH. Além disso, a toxicidade dessas nanopartículas foi analisada através da viabilidade celular em diferentes linhagens, NB-4, HepaRG, HTC e BHK-570. A expressão da proteína verde fluorescente (GFP) na célula NB-4 foi utilizada para avaliar a entrega do ASO desenhado, sendo sua fluorescência monitorada por microscopia confocal. Os resultados demonstram que as nanopartículas se mantiveram estáveis durante o período de tempo analisado, assim como com a temperatura variando de 22 a 45°C e em pH ácido. Cada linhagem celular respondeu de forma diferente ao tratamento com as nanopartículas sem ASO, sendo a linhagem saudável BHK-570 com a maior resistência. Ademais, todas as células apresentaram viabilidade reduzida quando tratadas com concentrações na ordem de 1011 nanopartículas/mL a base de quitosana trimetilada. A fluorescência das células NB-4 quando tratada com as nanopartículas com ASO diminuiu consideravelmente nas 18 primeiras horas, seguida de um aumento após 42 horas. Dessa forma, pode-se concluir que as nanopartículas de quitosana propostas nessa dissertação apresentaram uma excelente alternativa para a entrega de material genético, principalmente para o trato gastro-intestinal, devido à sua estabilidade em pH ácido
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.05.2018
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MELO, Cristiane Casonato; BERNARDI, Juliana Cancino; ZUCOLOTTO, Valtencir. Nanopartículas de quitosana como veículo para entrega de oligodeoxiribonucleotídeos antisense. 2018.Universidade de São Paulo, São Carlos, 2018. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/76/76132/tde-17092018-103515/ >.
    • APA

      Melo, C. C., Bernardi, J. C., & Zucolotto, V. (2018). Nanopartículas de quitosana como veículo para entrega de oligodeoxiribonucleotídeos antisense. Universidade de São Paulo, São Carlos. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/76/76132/tde-17092018-103515/
    • NLM

      Melo CC, Bernardi JC, Zucolotto V. Nanopartículas de quitosana como veículo para entrega de oligodeoxiribonucleotídeos antisense [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/76/76132/tde-17092018-103515/
    • Vancouver

      Melo CC, Bernardi JC, Zucolotto V. Nanopartículas de quitosana como veículo para entrega de oligodeoxiribonucleotídeos antisense [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/76/76132/tde-17092018-103515/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: