Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Políticas públicas de custo mínimo de seguro saúde no turismo receptivo na área Schengen: causas e consequências (2018)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: FUJITA, DENNIS MINORU - IMT
  • USP Schools: IMT
  • Subjects: EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA; SAÚDE PÚBLICA; POLÍTICAS PÚBLICAS; POLÍTICA DE FRONTEIRA; TURISTAS ESTRANGEIROS; TURISTAS NACIONAIS
  • Language: Português
  • Abstract: As áreas tropicais são consideradas propensas a doenças infecciosas e recentemente apresentaram desenvolvimento econômico com aumento do turismo doméstico e internacional de seus habitantes. Há um aumento de viagens internacionais com maior risco potencial para a importação de doenças, particularmente nos últimos 10 anos, e o novo quadro de surtos globais no século 21. A promoção de viagens seguras destes turistas no destino é um novo desafio para os governos receptores. Alguns países desenvolvidos com tradição turística, como os signatários da Convenção Schengen, implementaram políticas para lidar com o eventual custo de saúde de viajantes de áreas tropicais. Outros destinos, como os Estados Unidos, mantiveram suas políticas de saúde para turistas. Visando identificar a real condição de saúde destes novos turistas de países emergentes, estudamos os problemas de saúde dos turistas brasileiros no exterior, comparando o fluxo de viagens, o custo de saúde antes e depois da implantação da Convenção Schengen, a exposição potencial para algumas doenças infecciosas no intuito de sugerir medidas para proteção e prevenção desses viajantes brasileiros. Não há evidência de transporte de doenças por viajantes brasileiros para seus destinos turísticos. Países que adotaram seguro saúde obrigatório para os turistas brasileiros não apresentaram maiores custos de saúde, tendo queda relativa do fluxo turístico do Brasil, em comparação a países sem restrições. Além disso, o transporte aéreo e eventos internacionais de massa, como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, permitiram a transmissão de doenças para o Brasil, com introdução do vírus Zika e reintrodução do vírus do sarampo.A rápida transmissão mostra a importância das medidas preventivas que incluem o reforço da vacinação de grupos específicos, o alerta de higiene pessoal adequada e outras ações para evitar possíveis surtos devido ao elevado tráfego de viajantes nos eventos. No turismo doméstico, o potencial risco de transmissão de doenças infecciosas negligenciadas, como Leishmaniose Visceral, cuja disseminação se intensificou por deslocamento de animais de estimação; e da esquistossomose humana pelo aumento das mudanças climáticas e de atividades de lazer em áreas naturais, promovem maior exposição dos viajantes internacionais e nacionais. A rede atual de prevenção e proteção para viajantes no Brasil, composta por clínicas de medicina de viagem, mídias com recomendações para viajantes e centros de imunização tornam-se importantes na prevenção de contágio dos turistas e reduzem consideravelmente o número de atendimentos pós-viagem. Quando usada, fornece aos viajantes brasileiros proteção para as principais doenças infecciosas preveníveis ale de orientação para se evitar situações de risco em viagem, sendo um modelo de política pública interessante. Alguns protocolos para a entrada dos viajantes demonstram ser uma atitude adequada para melhorar a segurança dos viajantes e de seus países, bem como novas medidas preventivas são necessárias para evitar a disseminação de surtos de doenças infecciosas.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.08.2018

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FUJITA, Dennis Minoru; ANDRADE JÚNIOR, Heitor Franco de. Políticas públicas de custo mínimo de seguro saúde no turismo receptivo na área Schengen: causas e consequências. 2018.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.
    • APA

      Fujita, D. M., & Andrade Júnior, H. F. de. (2018). Políticas públicas de custo mínimo de seguro saúde no turismo receptivo na área Schengen: causas e consequências. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Fujita DM, Andrade Júnior HF de. Políticas públicas de custo mínimo de seguro saúde no turismo receptivo na área Schengen: causas e consequências. 2018 ;
    • Vancouver

      Fujita DM, Andrade Júnior HF de. Políticas públicas de custo mínimo de seguro saúde no turismo receptivo na área Schengen: causas e consequências. 2018 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: